GLOSSÁRIO DO VINHO

  • ACIDEZ
    Sensação de frescor que nos faz salivar, assim como quando comemos um abacaxi ou laranja. Algumas uvas são mais ácidas que outras, por exemplo: A uva italiana Barbera é considerada de acidez elevada. Os vinhos espumantes são bons exemplos de vinhos com boa acidez.
  • ADSTRINGÊNCIA
    Nome dado a sensação de ‘secura’ na boca, deixando-a áspera por conta da quantidade de taninos presentes no vinho.
  • AERAÇÃO
    Ato de expor o vinho ao oxigênio para deixá-lo “respirar” e fazer com que libere seus melhores aromas. A aeração geralmente é realizada com a ajuda de um decanter ou um aerador de vinhos.
  • MADEIRADO
    Vinho que passou por envelhecimento em barris de madeira.
  • ANIDRO SULFUROSO (SO2)
    Pode ser definido como um antisséptico e antioxidante que tem o papel de preservar a qualidade geral e a longevidade dos vinhos.
  • AOC
    Appellation d’origine contrôlée – é a denominação de origem controlada utilizada na França. É uma certificação concedida aos vinhos que foram elaborados em território delimitado, a partir das uvas cultivadas naquele local e seguindo as práticas de vitivinicultura regulamentadas pela legislação da região.
  • ASSEMBLAGE
    Vinhos elaborados com duas ou mais variedades de uva. Também podem ser chamados de ‘Blend’ ou ‘Vinhos de corte’.
  • ASTI
    Asti Spumanti é o nome dado ao espumante italiano, adocicado e de baixo teor alcoólico, elaborado com a uva Moscato Bianco ou Muscat Blanc – no Brasil chamada Moscatel.
  • BAGA OU BAGO
    Cada um dos grãos que compõem o cacho da uva.A Baga ou Bago é composto por casca, polpa e sementes.
  • BARRICA OU BARRIL
    Recipientes de madeira, geralmente produzidos com carvalho americano ou francês com capacidade para 225 litros onde os vinhos são colocados com a finalidade de amadurecimento, adquirindo complexidades aromáticas e gustativas.
  • BIODINÂMICO
    Vinhos que tiveram suas uvas cultivadas de maneira orgânica e com a aplicação de algumas técnicas ancestrais que, sem o auxílio da tecnologia atual, baseavam-se na observação das fases da lua, estações do ano e dos ritmos da natureza para determinar o momento ideal para o plantio, poda e colheita das uvas.
  • BLEND
    Vinhos elaborados com duas ou mais variedades de uva.Também podem ser chamados de ‘Vinhos de Corte’ ou ‘Assemblage’.
  • BODEGA
    Termo espanhol para se referir a uma vinícola.
  • BOUCHONNÉ
    Nome dado a um defeito no vinho, gerado por um fungo que, eventualmente, se desenvolve nas rolhas de cortiça, causando cheiro de papelão molhado ou mofo.
  • BOUQUET OU BUQUÊ
    Termos muitas vezes utilizados para se referir aos aromas do vinho.No entanto, o seu uso deveria ser empregado para se referir as complexidades aromáticas de um vinho envelhecido.
  • BRUT
    Tipo de espumante seco, com açúcar residual inferior a 12 gramas por litro.
  • BRUT NATURE
    Tipo de espumante extremante seco e adstringente, com açúcar residual entre 0 a 3 gramas por litro.
  • CASTA
    É a variedade de uva. Por exemplo: ‘A casta Carmenere faz excelentes vinhos chilenos’. Também pode ser chamada de ‘Cepa’.
  • CAVA
    Espumante espanhol que utiliza a mesma técnica da região de Champagne, na França, conhecida como “Champenoise” – onde a segunda fermentação, responsável pela formação de bolhas, ocorre dentro da garrafa. Para que o nome Cava possa ser utilizado, o espumante deve ser produzido na Espanha, a partir das uvas Parrelada, Xare-lo e Macabeo (Viura).
  • CEPA
    É a variedade de uva. Por exemplo: ‘A cepa Malbec faz excelentes vinhos argentinos’. Também pode ser chamada de ‘Casta’.
  • CHAMPAGNE
    Vinho espumante elaborado na famosa região francesa de Champagne, somente com uvas Pinot Noir, Pinot Meunier e Chardonnay que são cultivadas dentro de uma região delimitada e respeitando rigorosos métodos de produção. No Brasil, é muito comum escrever o termo champanhe para se referir ao vinho.
  • CHAMPENOISE
    Processo de vinificação de espumantes onde se realiza a segunda fermentação na própria garrafa, com intuito de adquirir melhor qualidade nas bolhas e espuma. É o único método aprovado na elaboração de espumantes da região de Champagne, na França.
  • CHAPTALIZAÇÃO
    Prática que consiste em adicionar açúcar ao mosto (ou suco da uva) no processo de fermentação, com intuito é obter maior graduação alcoólica. Este processo só é permitido em alguns países, quando a uva não consegue atingir corretamente a sua maturação, não produzindo açúcar suficiente para obter a graduação alcoólica necessária.
  • CHARMAT
    Processo de vinificação de espumantes onde a segunda fermentação – realizada para adquirir as bolhas e espuma do vinho – é feita em tanques fechados de aço inox.
  • CHÂTEAU
    Significa castelo, mas no mundo dos vinhos, o termo é utilizado para se referir a uma propriedade vinícola na França. Esta denominação, somente pode ser utilizada pelas propriedades que produzem seus vinhos a partir de uvas cultivadas em seu próprio vinhedo.
  • CLARET OU CLARETE
    Claret era o termo utilizado para o vinho Bordeaux que, na Idade Média, era exportado para Inglaterra. O Clarete é uma especialidade de Bordeaux, de coloração rosa, que faz homenagem ao Claret.
  • CLOS
    Termo francês que denomina um vinhedo específico, geralmente fechado por um muro, de onde provém uvas que elaboram vinhos cujas características se repetem nas mais variadas safras.
  • COLHEITA TARDIA
    Processo que consiste em colher as uvas em um período onde elas já passaram do seu ponto ideal de maturação, concentrando maior quantidade de açúcar. Esta prática é utilizada na elaboração dos vinhos doces e licorosos.
  • CORPO
    Pode ser descrito como o volume que o vinho faz na boca. Basicamente, os vinhos podem ser divididos em: vinhos de corpo leve, médio e encorpado. Para efeito de comparação, podemos pensar nos leites, com o desnatado sendo mais leve e o integral mais encorpado.
  • CORTE
    Vinhos elaborados com duas ou mais variedades de uva. Também podem ser chamados de ‘Blend’ ou ‘Assemblage’.
  • CORTIÇA
    Material de origem vegetal extraído da casca dos sobreiros e utilizado para fazer as rolhas dos vinhos.
  • CRÉMANT
    Vinho espumante francês, elaborado fora da região de Champagne, que utilizam o método tradicional ou champenoise.
  • CRIANZA
    Termo espanhol que indica que o vinho passou por um processo de envelhecimento de, no mínimo, 24 meses antes de ser comercializado. Destes 24 meses, entre 6 e 12 em barris de carvalho e o restante em garrafa.
  • CRU
    Termo francês que denomina um vinhedo específico, geralmente considerado de qualidade superior, de onde provém uvas que elaboram vinhos cujas características se repetem nas mais variadas safras.
  • CRU BOURGEOIS
    Classificação concedida em 1932 aos melhores vinhos franceses da região do Médoc. Esta classificação segue uma hierarquia de qualidade, sendo a mais conceituada o ‘Cru Bourgeois Exceptionnel’ (CBE), seguido pelo ‘Cru Bourgeois Supérieur’ (CBS) e por fim o ‘Cru Bourgeois’ (CB).
  • CUVÉE
    Termo empregado para indicar que o vinho foi elaborado através da mistura de diversas variedades de uvas ou misturado com as uvas de outros tanques, a fim de obter uma uniformidade. No mundo dos vinhos espumantes, a palavra Cuvée indica que apenas o suco da primeira prensagem das uvas (considerado o de melhor qualidade) foi utilizado na elaboração.
  • CORTA CÁPSULA
    Acessório que serve para remover a cápsula que envolve o bico da garrafa e a rolha. O acessório que lembra uma ferradura deve ser encaixado no bico da garrafa, pressionado e girado.
  • CORTA GOTAS
    Acessório que serve para evitar que o líquido escorra pela garrafa. O mais conhecido tem formato de anel e possui um material absorvente na parte interna. O anel é colocado no gargalo da garrafa e, caso o líquido escorra, será absorvido rapidamente.
  • COOLER
    Acessório que serve para resfriar a bebida mais rápido. Com o cooler, é possível atingir a temperatura ideal com precisão, tudo controlado digitalmente e com acompanhamento através de um visor, geralmente de LCD.
  • DECANTAÇÃO
    Ato de transferir o vinho tinto de uma garrafa para um decanter, com intuito de separar do líquido os sedimentos – geralmente criados pela ação do tempo – que ficam no fundo da garrafa. A decantação geralmente é confundida com ‘aeração’, que consiste em expor o vinho ao oxigênio para deixá-lo ‘respirar’, fazendo-o liberar seus aromas.
  • DECANTER
    Recipiente de cristal ou vidro, para onde os vinhos tintos mais velhos são transferidos, com intuito de separar do líquido dos sedimentos que se acumulam com o tempo no fundo da garrafa. Também é utilizado para expor os vinhos jovens ao oxigênio, permitindo que eles ‘respirem’ e se desenvolvam.
  • DEGUSTAÇÃO HORIZONTAL
    Na degustação horizontal, os participantes experimentam vinhos da mesma safra, porém, de diferentes vinícolas. Geralmente, os vinhos são de uma mesma região e da mesma variedade de uva.
  • DEGUSTAÇÃO VERTICAL
    Na degustação vertical, os participantes experimentam várias safras do mesmo vinho, com intuito de perceber a evolução da bebida durante os anos.
  • DEMI SEC
    Tipo de espumante doce, com açúcar residual entre 32 a 50 gramas por litro.
  • DO
    Termo encontrado em vinhos espanhóis (Denominación de Origen), italianos (Denominazione di Origine) e brasileiros (Denominação de Origem). É uma certificação concedida aos vinhos que foram elaborados em território delimitado, a partir das uvas cultivadas naquele local e seguindo as práticas de vitivinicultura regulamentadas pela legislação local.
  • DOC
    Termo encontrado em vinhos portugueses (Denominação de Origem Controlada) e em vinhos italianos (Denominazione di Origine Controllata). É uma certificação concedida aos vinhos que foram elaborados em território delimitado, a partir das uvas cultivadas naquele local e seguindo as práticas de vitivinicultura regulamentadas pela legislação local.
  • DOCa
    Termo encontrado em vinhos espanhóis (Denominación de Origen Calificada). É uma certificação concedida aos vinhos que obtiveram a certificação DO (Denominación de Origen) há pelo menos 10 anos.
  • DOCG
    Termo DOCG encontrado em vinhos italianos (Denominazione di Origine Controllata e Garantita). É uma certificação concedida aos vinhos italianos da mais alta qualidade, que obtiveram a certificação DOC (Denominazione di Origine Controllata) há pelo menos 5 anos.
  • DOUX
    Tipo de espumante extremamente doce, com açúcar residual acima de 50 gramas por litro.
  • ENÓLOGO
    Indivíduo que estuda enologia e é responsável pelo processo de elaboração dos vinhos, desde a escolha do solo, método de plantio das parreiras, colheita, vinificação, envelhecimento e engarrafamento da bebida.
  • ENÓFILO
    Indivíduo que aprecia e estuda os vinhos, podendo atuar na área sem a formação acadêmica em enologia.
  • ENOCHATO
    Nome popularmente dado ao indivíduo que ‘acha’ que sabe tudo sobre o vinho, geralmente tendo uma atitude esnobe e utilizando de termos técnicos para demonstrar maior conhecimento que os demais.
  • EQUILIBRADO
    Vinho harmonioso, onde seus taninos, acidez, álcool e a concentração das uvas estão em perfeita harmonia.
  • ESPUMANTE
    Vinho que passa por uma segunda fermentação, que pode acontecer em grandes cubas de aço inox ou na própria garrafa. A primeira fermentação, a alcoólica, que transforma o açúcar natural da uva em álcool, é básica para todos os estilos de vinhos. Já a segunda fermentação, é realizada com o intuito de adquirir a efervescência, resultando na espuma e nas bolhinhas, que são muito apreciadas na bebida. Os vinhos espumantes são produzidos em diversos países e através de diversos processos, como o Champenoise (ou Tradicional)Charmat e Asti.
  • EXTRA BRUT
    Tipo de espumante seco, com açúcar residual entre 0 a 6 gramas por litro.
  • EXTRA DRY
    Tipo de espumante com açúcar residual entre 12 a 17 gramas por litro.
  • FECHADO
    Pode ser considerado um vinho que ainda não demonstra todo o seu potencial. O termo é geralmente usado para ‘vinhos jovens’ ou recém-engarrafados e, na maioria das vezes, o processo de ‘aeração’ com um decanter ajuda a ‘abrir’ o vinho.
  • FERMENTAÇÃO MALOLÁTICA
    Técnica utilizada para reduzir a acidez de um vinho, através da adição de bactérias lácticas.
  • FLUTE
    Taça estreita e alta, recomendada para beber champagne ou qualquer vinho espumante.
  • FORTIFICADO
    Vinho que, em seu processo de produção, se adiciona aguardente vínica ou outra bebida destilada, a fim de torná-lo mais alcoólico, garantindo sua conservação e longevidade. O vinho do Porto é um exemplo de vinho fortificado.
  • FRISANTE
    Vinho onde o gás carbônico pode ser obtido de forma natural como também artificial – sendo gaseificado através de quaisquer processos. Os frisantes podem obter uma graduação alcoólica de 7 a 14% em volume e a pressão interna em sua garrafa varia entre 1,1 e 2 atmosferas.
  • GI
    Geographical Indication – é a certificação oficial australiana, que se refere ao local de cultivo das uvas.
  • GRAND CRU
    Cru é um termo francês que denomina um vinhedo específico de alta qualidade. Geralmente os ‘Crus’ são divididos em níveis qualitativos e, Grand Cru, é o maior nível desta hierarquia.
  • GRAN RESERVA
    Termo encontrado em vinhos de diversas partes do mundo, mas seu uso não segue um padrão muito bem definido. Há países que possuem uma legislação para uso do termo e outros não. Na Espanha, um vinho ‘Gran Reserva’ é geralmente envelhecido por pelo menos 5 anos. Em países da América do Sul, o termo é bastante utilizado para indicar algum envelhecimento do vinho, mas o tempo pode variar dependendo do país ou produtor.
  • ICE WINE
    Vinho de sobremesa elaborado a partir de uvas que congelaram na videira. É um vinho concentrado, doce e de acidez elevada.
  • IGT
    Indicazione Geografica Tipica – é uma classificação dada aos vinhos italianos que não se encaixam nos padrões do país. São vinhos de qualidade, mas que fogem as tradições propostas, geralmente adicionando uvas de outro país aos seus vinhos.
  • IPR
    Indicação de Proveniência Regulamentada – termo designado aos vinhos que, dentro de um prazo mínimo de 5 anos, têm de cumprir todas as regras estabelecidas para a produção de vinhos de grande qualidade, para serem classificados como DOC.
  • JOVEM
    Termo utilizado para mencionar os vinhos de consumo rápido, que serão melhor aproveitados se consumidos poucos anos após sua produção.
  • JOVEN
    O termo ‘Joven’, com a letra N, é encontrado em vinhos espanhóis e indicam que estes não foram envelhecidos antes de ser comercializados.
  • LÁGRIMAS
    Lágrimas ou pernas, são as gotículas de vinho que escorrem pelas paredes da taça quando a giramos. São formadas pela presença do álcool na bebida.
  • LEVEDURAS
    Microorganismos produtores das enzimas responsáveis pela fermentação, transformando o açúcar em álcool.
  • LONGO
    Um vinho longo é aquele que deixa uma sensação duradoura na boca.
  • MACERAÇÃO
    Etapa da vinificação que ocorre durante a fermentação, onde o ‘suco’ da uva fica em contato com as cascas para extração de cor, aromas, taninos e outras substâncias. Este processo é realizado na elaboração dos vinhos tintos, rosés e laranjas.
  • MACERAÇÃO CARBÔNICA
    Prática em que se mantém em tanques fechados os cachos das uvas inteiros, sem serem esmagados e em contato com gás carbônico. Esta prática resulta em um ‘suco’ muito aromático de frutas vermelhas e coloração intensa.
  • MADURO
    Vinho evoluído que atingiu seu momento ideal de consumo.
  • MAGNUM
    Garrafas de vinho com capacidade para 1.500 ml (1,5 litros).
  • MALBEC
    Uva tinta de origem francesa que iniciou sua história no mundo dos vinhos na cidade de Cahors, ainda na Idade Média. No entanto, adquiriu fama mundial após encontrar na Argentina as condições ideais para seu desenvolvimento, originando vinhos de grande estrutura, taninos suaves e com notáveis aromas frutados e florais.
  • MICRO-OXIGENAÇÃO
    Prática que consiste em introduzir ao vinho uma quantidade controlada de oxigênio, com intuito de melhorar a sua cor, aroma, suavidade e textura.
  • MILLÉSIME
    Vinho elaborado a partir de uvas colhidas no mesmo ano. Alguns produtores misturam uvas de diferentes safras, com intuito de ‘camuflar’ a qualidade das safras ruins. Mas para que a expressão ‘Millésime’ faça sentido, é interessante saber se o ano estampado na garrafa, obteve ou não uma boa safra.
  • MOSTO
    Nome dado ao suco da uva obtido através de prensagem. Este suco se transformará em vinho após ser fermentado.
  • ORGANOLÉPTICO
    As características organolépticas de um vinho, envolvem as sensações olfatórias, gustativas e táteis percebidas no momento da sua degustação.
  • OXIDADO
    Vinho que sofreu alterações devido ao contato com oxigênio, perdendo suas qualidades aromáticas e gustativas, além de sofrer alterações em sua cor.
  • PERGALE
    Termo utilizado para se referir as bolhas ou borbulhas formadas em um vinho espumante.
  • PERNAS
    As lágrimas ou pernas, são as gotículas de vinho que escorrem pelas paredes da taça quando a giramos. São formadas pela presença do álcool na bebida.
  • PERSISTÊNCIA
    Sensação do gosto do vinho deixado na boca, e o tempo que ela dura. Diz-se que, quanto melhor o vinho, maior a duração. Persistência também pode ser chamada de Retrogosto.
  • PHYLLOXERA
    Inseto que ataca as raízes das videiras. No fim do século XIX, devastou vinhas inteiras em todo o mundo.
  • PORTO
    Vinho fortificado, produzido na região do Douro em Portugal.
  • PREMIÈRES CRU
    Cru é um termo francês que denomina um vinhedo específico de alta qualidade. Geralmente os ‘Crus’ são divididos em níveis qualitativos e, Première Cru, é o segundo nível desta hierarquia, ficando atrás somente dos ‘Grand Crus’.
  • PROSECCO
    Vinho espumante da região do Vêneto, na Itália, que recebe este nome por causa da uva com que é produzido. Há alguns anos, a Itália reivindicou o direito de uso exclusivo do termo Prosecco,  alterando o nome da uva para Glera. Desta forma, o termo, hoje, só pode ser utilizado em vinhos elaborados em uma área específica da província de Treviso, divisa com o Friuli.
  • PUNT
    Ferramenta utilizada na antiguidade, quando as garrafas ainda eram feitas com a técnica do sopro. Os profissionais encaixavam a base da garrafa numa ferramenta que diziam se chamar punt, que servia como apoio para deixar a garrafa estável enquanto era modelada. No entanto, a ferramenta acabava empurrando o fundo da garrafa para dentro.
  • QbA
    Qualitäteswein Bestimmter Anbaugebiete ou “vinho de qualidade das melhores regiões” é uma categoria de vinho alemão, elaborado com uvas de regiões demarcadas, suficientemente maduras para que obtenham o estilo vínico desejado.
  • QmP
    Qualitatswein Mit Prädikat ou “vinho de qualidade com predicado” é uma classificação alemã para vinhos de qualidade.
  • QUINTA
    A palavra Quinta, em Portugal, refere-se a uma propriedade produtora de vinhos.
  • REDONDO
    Vinho equilibrado, balanceando bem sua acidez, taninos e álcool.
  • RESERVA
    Termo utilizado em vinhos de diversas partes do mundo, mas seu uso não segue um padrão muito bem definido. Há países que possuem uma legislação para uso do termo e outros não. Na Espanha, um vinho ‘Reserva’ é geralmente envelhecido por pelo menos 3 anos. Na Itália, alguns vinhos ‘Riserva’ devem ser envelhecidos por pelo menos 5 anos.
  • RESERVA PRIVADA OU RESERVA DE FAMILIA
    Termos encontrados em vinhos considerados de produção diferenciada dos demais, onde o produtor qualifica como sendo superiores.
  • RETROGOSTO
    Sensação do gosto do vinho deixado na boca, e o tempo que ela dura. Diz-se que, quanto melhor o vinho, maior a duração.
  • ROBERT PARKER
    Robert Parker é um dos mais famosos críticos de vinhos do mundo. Ele está à frente da empresa ‘The Wine Advocate’, que classifica vinhos com pontos que vão de 50 a 100, desde 1978. A sigla RP é utilizada para indicar que um vinho foi avaliado por Robert Parker.
  • ROBUSTO
    Vinho encorpado, fazendo bom volume em boca e, sobretudo, bem equilibrado.
  • RESERVADO
    Vinhos de entrada de muitas vinícolas, isto é, os vinhos mais simples que o produtor elabora. Normalmente produzidos em grande quantidade, sem estágio em madeira e envelhecimento em garrafa. Normalmente são vinhos mais baratos que os demais.
  • SAFRA
    Ano em que a colheita das uvas e a produção do vinho foram realizadas.
  • SCREW CAP
    Tampas de rosca que começaram a ser utilizadas nos vinhos no início da década de 1960. É muito encontrada em vinhos da Nova Zelândia, Austrália e África do Sul. Alguns produtores optam pelas screw caps para vedar vinhos brancos e rosés, pois como estes vinhos podem ‘morrer’ mais rápido que os tintos, a tampa dificulta a entrada do oxigênio na garrafa, garantindo que o vinho permaneça fresco e bem preservado por mais tempo.
  • SEC OU DRY
    Tipo de espumante onde o açúcar é bem perceptível, sem chegar a ser totalmente doce, com açúcar residual entre 17 a 32 gramas por litro.
  • SEDIMENTOS
    Partículas sólidas que se acumulam no vinho, causadas pela ação do tempo ou pela não filtragem da bebida. Estas partículas podem ser separadas do líquido com a ajuda de um decanter.
  • SO2
    SO2 ou Anidrido sulfuroso basicamente pode ser definido como um antisséptico e antioxidante que tem o papel de preservar a qualidade geral e a longevidade dos vinhos.
  • SOMMELIER
    Profissional especializado, encarregado em conhecer os vinhos e suas características. Adicionalmente, cuida da compra, armazenamento e elaboração de cartas de vinho em restaurantes, além de orientar clientes na escolha da bebida ideal para combinar com a refeição.
  • SUPÉRIEUR
    Classificação dada aos vinhos franceses de Bordeaux. Podem ser considerados vinhos de maior qualidade, com maior estrutura e concentração que um Bordeaux comum.
  • SUPERTOSCANOS
    Categoria de vinhos não oficial da Toscana na Itália. São vinhos de qualidade, mas que fogem as tradições propostas, geralmente adicionando uvas de outro país aos seus vinhos. Os vinhos supertoscanos levam em seu rótulo a sigla IGT – Indicazione Geografica Tipica.
  • TÂNICO
    Vinho com alta concentração de taninos, causando uma sensação de ‘secura’ na boca.
  • TANINOS
    Substâncias presentes nas cascas e sementes das uvas. É um dos componentes mais importantes, provendo estrutura e corpo aos vinhos, além de ser fundamental para sua longevidade. Os vinhos considerados tânicos – geralmente tintos -, podem causar uma sensação de ‘secura’ na boca – chamada de adstringência -, como quando mordemos uma banana verde. Outra sensação física pode ser percebida encostando a língua no céu da boca, dando uma sensação ‘áspera’.
  • TERROIR
    Palavra francesa que designa uma gama de fatores: biológicos, climáticos, geográficos e geológicos que influenciam nas características da videira e das uvas, afetando a qualidade e personalidade dos vinhos. Quando falamos em terroir, fatores humanos também são levados em conta, com o homem sendo responsável pelos aspectos agronômicos, conhecimento da região e do solo, além de sua filosofia de trabalho.
  • UNTUOSO
    Vinho considerado viscoso e amplo, enchendo a boca.
  • VARIETAL
    Vinhos elaborados com apenas uma variedade de uva. Em algumas regiões produtoras, se permite utilizar alguma porcentagem de outras uvas e mesmo assim continuar sendo um ‘Varietal’. Por exemplo: Um vinho elaborado com 85% da uva Tempranillo e 15% da uva Airen, pode ser considerado um varietal de Tempranillo.
  • VCPRD
    Vino de Calidad Producido en Región Determinada – é uma indicação geográfica que garante a qualidade e origem dos vinhos na União Européia.
  • VDQS
    Vin Délimité de Qualité Superieure – indica a segunda maior categoria de vinhos franceses , abaixo somente da categoria Appellation d’Origine Contrôlée (AOC) e acima de Vin de pays.
  • VIDEIRA
    Planta da qual se origina o fruto da uva, matéria prima do vinho.
  • VIN DE PAYS
    Uma das classificações para os vinhos franceses, sendo a terceira na hierarquia, ficando atrás das classificações AOC e VDQS.
  • VIN DE TABLE
    Uma das classificações para os vinhos franceses, sendo a menor categoria, ficando atrás das classificações AOC, VDQS e Vin de Pays.
  • VINDIMA
    Período de colheita das uvas.
  • VINHO VERDE
    Nome dado a um vinho leve e fresco, produzido na província do Minho, no noroeste de Portugal. Os Vinhos Verdes, podem ser do tipo branco, tinto, rosé e espumante.
  • VINICULTURA
    Ciência que estuda a produção do vinho.
  • VINTAGE
    Termo que era utilizado para indicar os vinhos que eram produzidos com uvas de um determinado ano. Hoje o termo também é empregado para os vinhos bastante amadurecidos (velhos) ou vinhos considerados de extrema qualidade.
  • VITICULTURA
    Ciência que estuda a produção e cultivo da uva.
  • VITIS VINIFERA
    Espécie de uva destinada à produção de vinhos de qualidade. Geralmente possuem a casca mais grossa e o caldo concentrado, diferente das uvas que encontramos em supermercados e feiras.
  • VITIVINICULTURA
    Processo ou desenvolvimento que envolve desde o cultivo das uvas, até sua transformação em vinho.
  • WO
    Wine of Origin – é o sistema de denominações de origem dos vinhos sul-africanos. O sistema que foi implementado em 1973, possui uma hierarquia de produção que engloba regiões, distritos e bairros. Vinhos que levam a sigla, devem ter 100% das uvas provenientes da área designada.

Siga-nos na sua rede social favorita

17,267FansLike
75,115FollowersFollow
3,470SubscribersSubscribe

CURSOS ONLINE

AMPLIE SEUS CONHECIMENTOS

VEJA TAMBÉM